Total de visualizações de página

sábado, 2 de dezembro de 2017





RUN Eni RUUUUNNNNNNNN

Sexta feira, 4 da tarde, fim de expediente, e ela olha pro visor do telefone na sua mesa. Exatamente 100 ligações atendidas, em 8 horas ela falou com 100 pessoas , fora as internas, isso já passava de insano.Sua mente entrando em shut down , seu corpo perfeito modelo pro Walking Dead.

Quando saiu tinha um vento frio,respirou fundo, aquela sensação gelada por dentro funcionou mais que qualquer energético, conseguiu rir das folhas no chão fazendo círculos, parecia que tinham libertado os 101 Dálmatas e eles brincavam. Se deu conta que não precisava mais correr pra casa, aquele desespero de estar sempre correndo tinha consumido a si mesmo.

Tem lugares no mundo que Dezembro fica especial, se sente em cada calçada, praça,vitrine, bar,pessoas, e ela estava exatamente num desses lugares. Pra que ter pressa??Caminhou em sentido oposto ao de casa, entrava nas lojas pra ouvir a trilha sonora, realmente gostava dos "classicos",tentava imaginar como seria o designer que projetava aquela decoração, no que pensava alem de marketing, teria algum sonho dele ali? Alguma saudade? Esperança?

Não contem pra ninguém, mas qualquer lugar comercial que ela entre e esteja vazio, começa a ficar cheio minutos depois, como se ela tivesse um ima pra atrair clientes(isso já foi testado centenas de vezes),ai ela saia, gente falando alto,tumulto hoje seria demais.

Parou em frente a um bar,estilo rustico,com uma enorme janela pra rua, uma parede de tijolinho vermelho e entre eles desenhando um labirinto o pisca pisca de natal, sem piscar,( se piscasse o tempo todo ela corria o risco de ter um ataque epilético) apenas iluminado os caminhos, sera que tinha saída naquele labirinto?

Quando entrou estava vazio, ainda era cedo. Sentou na mesa ao lado da janela,uma moça sorridente se aproximou, se apresentou( eles sempre fazem isso por estas bandas, dizem o nome sorrindo e o que fazem,fica menos impessoal),deixou o menu e saiu. Ela desligou o celular, se o mundo fosse acabar ela estaria completamente inocente nisso rsrs.

Não cafe, seria o milésimo,não vinho, talvez não conseguisse parar, pediu um Moscou mule, tinha provado uma vez, e era delicioso, a maneira como era servido numa caneca de cobre tinha tudo a ver com o lugar e o momento.

Ha o silencio, o drink, a musica, blues ,a janela que deixava ver o vento....paraíso existia..... por exatos ou quase 10 minutos.

Tem coisas que so acontecem em certos lugares e ela estava num desses lugares onde absolutamente tudo pode acontecer da maneira mais natural possível....e acontece.

Distraída olhando a rua e o vento e o que ele fazia com as pessoas "desesperadas" que cruzavam com ele levou um tempo pra perceber alguém parado em frente a ela.

Com a ponta dos dedos esse alguém deslizou uma moeda pela mesa, e sem cerimonia perguntou com um sorriso: Um filme, uma cena e porque o primeiro que voce pensar......por favor!

Esse "por favor" foi o necessário pra desfazer o olhar assassino que apareceu no rosto dela.

Quanto tempo leva o celebro pra formar um pensamento, uma imagem, muitas imagens ao mesmo tempo e o sentimento que elas criam/criaram???

Forrest Gump. O momento que ele recebe um tênis da Jenny pelo correio.

Coloca nos pes e sai correndo...ate o final da rua...avenida....cidade....estado....um depois do outro......sem se importar com o mundo em volta, com o que deduziram, imaginaram o porque dele correr e então ele para, e volta...... caminhando, sem pressa.....em paz com ele.

Porque me fez acreditar que é possível encontrar sua própria paz.

Em nenhum momento olhou nos olhos do outro lado, so respondia olhando o labirinto desenhado na parede do lado oposto..... sera que tinha saída???

Quanto tempo levou isso???

Desviou o olhar pra um grupo de mulheres que estava entrando, umas 8 , rindo, falando alto, tipico de um bando de mulheres juntas numa sexta feira rsrs, happy hour começava , ima ativado.

Ouviu um toc-toc-toc na janela, do lado de fora um sorriso a recebeu, e com sinais apontava pra mesa.

Debaixo da moeda um cartão , momento exato que ela definitivamente levanta uma das sobrancelhas.....deduzir o que ela esta pensando nesse momento e deveras arriscado.

Do lado de fora outro sorriso, nossa, fazia seculos que não via um sorriso assim....natural, verdadeiro......simples.

Um bye bye que foi respondido com um movimento de cabeça e o vazio enchendo rapidamente...... do bar, a principio .

Hora de fechar a conta...seja ela qual for.

Pegou o cartão sem olhar e colocou no bolso do casado, ficou olhando a moeda, não era dali....era de outro lugar e antiga. Como adivinhou que ela tinha um caixinha com moedas de vários países.

Ao sair entrou no mundo de novo, o vento agora fazia das folhas pirilampos coloridos no ar, já estava escurecendo e um mais profundo respirar gelado estranhamente aquecia o sangue nas veias.

Existe lugares que tudo pode acontecer...e ela estava num deles e so então percebeu que tinha recebido seu "par de tênis" e já não mais corria, voltava caminhando.

Run Eni Ruuuunnnnnnnn
02 Dez 18

Nenhum comentário:

Postar um comentário